SaÚde

Melatonina natural

Acerte o seu relógio biológico com alimentos que favorecem a produção desta substância.

Nas últimas duas décadas, muitos estudos têm sido desenvolvidos sobre substâncias que melhoram o funcionamento do organismo e a qualidade do sono. Tornou-se pública, também, a importância de determinadas hormonas naturais na regulação das funções orgânicas. A melatonina é um exemplo de hormona natural produzida pela glândula pineal, localizada na parte central do cérebro, e que mantém conexão com os olhos. A produção dessa hormona obedece ao ciclo circadiano – processo que regula todos os ritmos fisiológicos e psicológicos do corpo humano e de animais mamíferos. De entre os fenómenos controlados pela melatonina estão a digestão; a produção de hormonas reprodutivas femininas; a vigília e o sono; a renovação celular; o controlo da temperatura corporal – popularmente chamado o “relógio biológico”. A produção e libertação da melatonina ocorrem em grandes quantidades durante o sono à noite – entre as 2 e as 3 horas da manhã. Mas esse processo pode ser prejudicado por alguns fatores, tais como incidência de luz no local de dormir (justificando o facto de ligação com os olhos); mudanças de fuso horário (jet-lag); refeição próxima ao horário do sono; trabalho em período noturno; ingestão de bebidas à base de cafeína; e o envelhecimento. Por conta desse contexto e em virtude do decréscimo na produção da melatonina, muitas indústrias têm-se ocupado na formulação de suplementos artificiais que imitam a função dessa substância. Entretanto, os resultados têm sido bem abaixo do esperado em relação aos benefícios naturalmente alcançados pelo consumo de alimentos que favorecem a produção dessa hormona. Ou seja, mais uma vez conclui-se que a própria Natureza se encarrega de nos proporcionar alternativas saudáveis no equilíbrio das funções do organismo. A importância da melatonina é inquestionável. A sua função mais conhecida é a de regular o sono, mas também existem outros benefícios associados a ela e evidenciados cientificamente, como o combate a inflamações, cancro, doenças cardiovasculares e neurológicas; aumento da imunidade; ação antioxidante contra radicais livres; entre outros. Segundo uma pesquisa realizada na Tailândia, indivíduos expostos ao consumo diário de frutas tropicais, como abacaxi, banana e laranja, melhoram a produção de melatonina. O teor dessa substância aumentou significativamente nesses indivíduos após três semanas de consumo regular dessas frutas, que contêm triptofano, aminoácido essencial presente em determinadas proteínas. O triptofano – também encontrado noutros alimentos, como a aveia, as castanhas, as nozes, as amêndoas, as uvas, o kiwi, a cereja, o arroz integral, o milho-doce – auxilia na produção de serotonina, neurotransmissor responsável pelo bem-estar e bom humor. É importante lembrar que a qualidade do sono é tão importante como essencial, pois indivíduos tranquilos e com menos stresse têm um sono repousante, o que equilibra as funções cerebrais que regulam os outros sistemas orgânicos. De igual maneira, algumas doenças degenerativas, como a doença de Alzheimer, podem ser prevenidas com o uso de alimentos que induzem a produção de melatonina. Para finalizar, uma última dica: o modo de preparação dos alimentos – como cozinhá-los, por exemplo – pode comprometer o efeito desejado. Por isso, prefira consumi-los frescos, pois, além de preservar o alto nível de melatonina, isso também mantém as fibras que contribuem para o bom funcionamento intestinal.

mel


Patrícia Lessa Fecury
Nutricionista